Afinal, quem somos nós, os sexólogos?