Existe Ponto G? (dúvida cruel da Humanidade)

O nome foi dado em homenagem ao ginecologista alemão Ernest Grafenberg, que, nos anos 50, tornou-se o primeiro a descrever uma região de tecido nervoso, localizada na parede anterior da vagina, responsável por orgasmos femininos mais intensos. Mas existem controvérsias sobre a existência do Ponto G. Estudos recentes demonstram que ele nada mais é do que uma terminação nervosa do clitóris. Fica na parede anterior da vagina, cerca de quatro centímetros após a entrada do canal vaginal. Algumas mulheres conseguem achá-lo (por tê-lo mais proeminente), virando a palma da mão para o corpo e introduzindo o indicador na vagina. O Ponto G estará exatamente na ponta do dedo.

Toda mulher tem desejo sexual?

Há dois grupos de mulheres: as que sentem desejo sexual e as que nunca sentem, excetuando as fases em que estão apaixonadas. Enquanto as primeiras têm vontade de transar e procuram a relação sexual, o segundo grupo quase nunca toma iniciativa. As mulheres que não têm vontade de fazer sexo precisam saber que é possível terem uma resposta sexual mais circular, ou seja, partem da excitaçãopara ter vontade de transar; enquanto o primeiro grupo parte do desejo, na maioria das vezes. Isso significa que é preciso se disponibilizar para o sexo mesmo sem vontade, já que, se a relação for prazerosa, o desejo vai aparecer.

Quando a mulher está auge de sua sexualidade?

Não existe uma idade fisiológica para o auge da vida sexual. O que se observa é que, a partir dos 30 anos, a mulher tem a sexualidade e o erotismo melhores “resolvidos”. Isso acontece porque, em geral, nessa fase ela tem a vida profissional mais definida e já viveu mais experiências sexuais. Além disso, tende a ser mais madura emocionalmente.

Quanto tempo dura o orgasmo feminino?

Em geral, dura de 2 a 10 segundos. Mas a intensidade do orgasmo depende do estímulo do parceiro nas preliminares e do equilíbrio hormonal da mulher. O uso de alguns medicamentos, como os inibidores de apetite, por exemplo, podem inibir o orgasmo.

É possível ter vários orgasmos seguidos?

Poucas mulheres experimentam orgasmos múltiplos, ou seja, têm picos de prazer que ocorrem seguidamente, um imediatamente após o outro, sem interrupção. Pode ocorrer um único e intenso orgasmo, vários de menor intensidade ou a união dessas duas variações. Não há estudos que apontem se há predisposição biológica ou emocional para este comportamento sexual. A mulher também pode confundir a sensação prazerosa após o orgasmo como se estivesse experimentando novos picos de prazer.

Por que a mulher se masturba?

Porque proporciona um prazer diferente. Ao se tocar, a mulher chega mais rápido ao orgasmo, porque é ela quem comanda o ritmo. A masturbação ajuda no autoconhecimento e a descobrir como ter mais prazer. Essa manifestação não significa, no entanto, que ela não queira sexo.

Por que algumas mulheres só conseguem chegar ao orgasmo se masturbando?

As mulheres atingem o orgasmo com o estímulo do clitóris. Algumas não conseguem desfrutar do gozo com o parceiro por questões emocionais, como vergonha ou medo.  Mas há certas posições sexuais que ajudam neste prazer, como aquela em que o homem se deita e a mulher fica por cima. Esta variável causa maior estímulo, pois proporciona uma penetração mais profunda e permite que o pênis do parceiro friccione diretamente o clitóris.

Qual a profundidade da vagina?

O tamanho da vagina não depende da estatura da mulher e, em geral, fica  entre 8 e 10 centímetros. Quando a mulher está excitada, este canal, que é elástico, ganha mais três ou quatro centímetros.

A mulher pode ter orgasmo sem penetração?

Sim. A maioria das mulheres não consegue gozar somente com a penetração vaginal ou anal. Para elas, é mais fácil atingir o orgasmo pela estimulação do clitóris, região que concentra milhares de terminações nervosas e, por isso, é especialmente sensível. Importante ressaltar também que o gozo não está somente no clitóris, mas depende do estado emocional da mulher e da qualidade da relação sexual.

O que é Transtorno da Excitação Genital Persistente?

O Transtorno da Excitação Genital Persistente (PGAD) é uma condição incomum, desconcertante e preocupante. Refere-se a uma condição de excitação não solicitada, que acontece involuntariamente, sem fantasias ou pensamentos sexuais, podendo levar a pessoa a um orgasmo, ou vários, gerando alívio apenas temporário. As causas ainda não foram descritas com nitidez e há pouca literatura a respeito. Frequentemente confundem a PGAD com vulvodinia (dor crônica ou desconforto na vulva) e hipersexualidade, entre outros transtornos. É importante procurar um médico que seja especializado em sexologia para investigar os sintomas e propor tratamento.

Qual o significado do sexo anal para as mulheres?

O sexo anal tem a mesma importância que a virgindade tinha algum tempo atrás. Assim, como no passado as mulheres negociavam sua primeira vez, agora reservam o anal para parceiros confiáveis e para ocasiões especiais. Com a liberação sexual, o sexo anal significa o que restou para guardar. É como se as mulheres ainda se preservassem para um príncipe encantado. Mulheres mais autônomas, que gostam de sexo, podem apreciar o sexo anal e tê-lo como significado de prazer.

É possível ter prazer com sexo anal?

A prática exige confiança e cumplicidade. Preservativo, carícias e lubrificantes à base de água são fundamentais. O ânus é uma região erógena, com terminações nervosas específicas para aumentar a excitação até chegar ao orgasmo. Acariciar o clitóris no momento da penetração potencializa o prazer.

Viagra feminino funciona?

O Viagra feminino (a pílula rosa) ainda não teve sua eficácia comprovada. Alguns estudos com a substância do Viagra  (Sildenafil) apontam melhora no fluxo sanguíneo da vagina, o que favorece a lubrificação e o orgasmo, mas pode não ter necessariamente efeito direto sobre o desejo.

O que é vaginismo?

Trata-se de uma contração involuntária da musculatura da região pélvica. A mulher com vaginismo dificilmente consegue ter uma penetração e, quando ela acontece, vem acompanhada de muita dor. O problema, normalmente, é de ordem emocional, podendo estar associado a abuso sexual, repressão da sexualidade e hostilidade à figura masculina. O tratamento é iniciado com terapia sexual, seguida de fisioterapia, quando necessária.

O que é frigidez?

A mulher frígida é aquela que não manifesta desejo sexual e não reage a estímulos sexuais. Vários são os fatores que podem desencadear a frigidez, como depressão, abuso sexual e repressão da sexualidade. Alterações hormonais, uso de medicação/drogas e vaginismo também podem colaborar para este tipo de disfunção sexual. Como o termo tornou-se pejorativo e abrange uma série de sintomas, atualmente conceitos mais específicos, como a inibição de desejo, ausência de excitação/presença de excitação subjetiva, e outros, ajudam o terapeuta a diagnosticar melhor quais as fases da resposta sexual estão comprometidas. O tratamento pode ser realizado por meio de terapia sexual, da psicoterapia e uso de medicamentos, se necessários.